Ocorreu um erro neste dispositivo

segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

A História da Guitarra Portuguesa


 Na origem directa do nossa guitarra encontra-se um modelo de Cítara europeia conhecido em Portugal desde o século XVI, filiado na Cítola medieval e referido em várias fontes literárias e representações iconográficas.

Entre as mais conhecidas encontra-se a descrição de Garcia de Resende (cronista, cantor e músico), na “Hida da Princeza D.Beatriz para Sabóia,” relatando uma situação ocorrida em 1521, na qual uma cítara e três violas de arco são embarcadas no navio que transporta a princesa, a de Jorge Ferreira de Vasconcelos (1515-1585) , incluída no rifão popular: “palavras sem obras, cíthara sem cordas...” (Comédia Eufrosina, 1543) e a de Frei Phillipe de Caverel (cronista da embaixada papal que visitou o nosso país em 1582), texto no qual são sumáriamente descritos os instrumentos musicais conhecidos dos portugueses da época.
No século XVII, as referências mais interessantes ao uso da cítara entre nós dizem respeito à comunidade clerical, com a conhecida notícia sobre Frei João de S.José Queiroz, clérigo de Barcelos e grande tocador de cítara e com a magnífica escultura em barro polícromo do Retábulo da Morte de S.Bernardo do Mosteiro de Alcobaça (c.1680), a mais importante e detalhada fonte para o estudo da cítara barroca em Portugal.
Além destas fontes foram conhecidos em Portugal os tratados de Michael Praetorius (1619), de Marin Mersenne (1639) e de Athanasius Kircher (1650), todos com capítulos especialmente dedicados ao estudo da cítara europeia, descrevendo afinações, tecendo considerações de ordem técnica e musical e comentários sobre a cotação social do instrumento e dos seus utilizadores.

Em São Paulo, no Brasil, a cítara aparece referida no inventário de Francisco de Leão, realizado em 1632, no qual se indica também que o instrumento, importado de Portugal, custou 480 reis.
No Catálogo da Livraria Real de Música de D.João IV, publicado em 1649, encontramos alguns dos mais importantes livros estrangeiros de Cítara publicados na época, bem como um livro contendo “obras para Cíthara, escritas de mão”, presumivelmente português, infelizmente perdido no Terramoto de 1755.
No início do século XVIII (1712-1715), temos a indicação numa carta de Ribeiro Sanches (famoso cirurgião, cristão-novo e filósofo) de que “meu pai me mandou para a Guarda para aprender a tocar cítara”, facto que atesta a existência de cultores do instrumento também no interior do país. Também temos a notícia nos “Desagravos do Brasil”, (B.N.Ms. B16.23) sobre o Padre João de Lima que tocava na perfeição os instrumentos de corda, tais como: Viola, Cíthara, Theorba, Harpa, Bandurrinho e Rabeca.
O Diccionário de.Rafael Bluteau, reformado e acrescentado por Morais e SIlva e publicado em Lisboa em 1789, refere a cítara como “instrumento músico de braço mais longo que a viola, com cordas de arame, e trastos de latão.huns inteiros e outros té meia largura do braço”, mostrando que entre nós ainda se usava o modelo antigo, com distribuição irregular do trasteado.
Em 1795 é publicado o “Estudo de Guitarra” de António da Silva Leite e nele é mencionada a cítara, a par de outros instrumentos indicados pelo autor como sendo próprios para o acompanhamento musical do canto ou de solos instrumentais.
Este tratado é totalmente dedicado à “Guitarra Inglesa”, instrumento que tendo origem na cítara alemã (que os autores franceses designavam por “Guitare Allemande”) introduzida em Inglaterra no início do século XVIII , tem todavia características muito diferentes da cítara/guitarra portuguesa .
A leitura superficial desta obra tem conduzido alguns autores (com grande responsabilidade no meio musicológico português), a erros grosseiros na determinação das origens da guitarra portuguesa, assumindo estes, sem qualquer justificação organológica, a filiação da nossa guitarra num instrumento com número de cordas, afinação, técnica e estrutura interna totalmente diferente.
A partir do século XIX, apesar de continuarem a ser referidos em diccionários literários e musicais como dois instrumentos distintos (Diccionário de Fonseca e Roquete, 1848, Diccionário de Eduardo Faria, 1849, Diccionário de F.Fétis / José Ernesto d’Almeida, Porto, 1858) a cítara e a guitarra tendem a confundir-se sob mesma designação, vindo gradualmente a “guitarra portuguesa” a adoptar elementos acessórios de um e outro instrumento (p.ex. o cravelhal em chapa de leque).
A desqualificação social da cítara é um facto, referido desde o início do século XIX , (p.ex. em 1820, um tal Manuel Raimundo, mulato, foi preso na Calçada de Santana , em Lisboa , por estar “tocando em uma Cytara numa loja de louça que também vende aguardente” ) e esta situação tornou-a o instrumento ideal de acompanhamento do fado, canção então em voga em meios marginais dos bairros pobres da cidade de Lisboa.
No entanto e sob a nova designação de Guitarra Portuguesa, esta vai sendo gradualmente reabilitada até chegar novamente aos salões burgueses e aos palácios da aristocracia na segunda metade do século.
Na década de setenta já a Guitarra se apresentava em sessões de concerto (Casino Lisbonense, 1873), bem como era obrigatório o seu uso no acompanhamento do fado, entretanto popularizado de norte a sul do país, através dos tocadores e cantadores ambulantes que frequentavam as principais feiras e romarias.
No primeiro quartel do século XX, a guitarra portuguesa coexistia nas zonas interiores do país, no mundo rural, com a chamada “cítara campeira”, designação do tipo de guitarra de pinho com cravelhal em espátula e cravelhas de madeira que acompanhava os recitadores do fado de cordel tão abundante nas nossas feiras. Segundo testemunhos recentes recolhidos por mim na Beira Alta e em Trás-os-Montes, estes tipos mais arcaicos sobreviveram até aos anos 30, nas mãos de moleiros e de artesãos carpinteiros que, nas horas vagas e em dias de festa, reuniam à sua volta verdadeiras tertúlias de poetas-cantadores de fados e romances, improvisando também cantos ao desafio.
Com o incremento do fado e das guitarradas, promovido pelas companhias de discos e de gramofones na década 20/30 e a sua subsequente difusão por todo o país através da rádio (a partir de 1935), a Guitarra Portuguesa tornou-se um instrumento ainda mais presente nos conjuntos instrumentais próprios das funções de baile, nas rusgas do Minho, nas rondas da Beira Alta, em grupos do Douro e de Trás-os-Montes, reforçando o timbre estridente das violas de arame e apoiando o acompanhamento harmónico dos violões.
Mas é certamente nas grandes cidades que a Guitarra atinge a sua cotação mais elevada, com a associação ao fado amador dos estudantes de Coimbra e nas mãos dos mais talentosos guitarristas profissionais do fado de Lisboa.
Da década de 40 até hoje, pouco se fez para modificar os aspectos essenciais da construção da Guitarra, verificando-se no entanto uma gigantesca evolução nas técnicas de execução e no reportório, o qual passou das simples “guitarradas” acompanhadas à viola, para verdadeiros solos de concerto e peças orquestrais com a guitarra em posição solística de destaque.
Assistimos mesmo, a partir da década de 70, a verdadeiras incursões pela música erudita contemporânea, com utilização pontual de meios electro-acústicos e de manipulação electrónica dos sons da Guitarra Portuguesa.

@ Pedro Caldeira Cabral 2006
Actualizado em ( 30/09/2007 )


sábado, 22 de janeiro de 2011

Cozido á Portuguesa

 Eu acho que é impossível falar de gastronomia portuguesa e não falar neste prato delicioso que o nosso Portugal tem á séculos. A receita, com o passar do tempo tem mudado mas, ao mesmo tempo continua igual ao que sempre foi.
 A historia deste prato é bastante simples, antigamente os mais pobres não pussuiam muito dinheiro, como é óbvio, a solução para aproveitar as sobras era por tudo numa panela e cozer até se apurar uma refeição com bastante consistência com fim de lhes dar energia e, provavelmente, aquecerem-se um bocadinho nos dias mais frios. No entanto os mais abonados também apreciavam o prato apesar da sua simplicidade.
 Nos dias de hoje esta linda tradição é saboreada por todas as classes sociais. Mas, apesar desta tradição portuguesa, os seus ingredientes variam, consoante a zona em que é cozinhada. Apesar desse pormenor apresento-vos uma receita que contem uma grande diversidade de ingredientes e por isso achei ser a mais englobante.

Bom proveito



Cozido á Portuguesa


Ingredientes:
  • carne de vaca para cozer;
  • meia galinha;
  • 1 pé de porco, entrecosto, chispe;
  • presunto, chouriço, farinheira, salpicão;
  • toucinho salgado, bacon;
  • orelheira fresca e fumada;
  • couve portuguesa (penca) ou coração;
  • cenouras, batatas, nabos;
  • sal e azeite
Confecção:

Numa panela grande coza em água todas as carnes.
Aquelas que forem salgadas devem ficar de molho umas horas, só depois se podem pôr a cozer.
Regue a água da cozedura com um fio de azeite e tempere a gosto.
Por ordem de cozedura mais rápida, vão-se tirando os enchidos, depois as carnes de porco, e só no fim, depois de bem cozida, a carne de vaca.
Nesta água de cozer as carnes, meta os legumes já mencionados no início.
Quando cozidos, retire a panela do lume, deixando os legumes dentro.
Para servir, corte as carnes, disponha numa travessa com os respectivos legumes.
Acompanha feijão branco cozido, cozido na água dos legumes, e arroz de forno ou branco.

terça-feira, 18 de janeiro de 2011

Boa Tarde
  Como provavelmente já sabem, eu gosto muito do que é típico português, está claro que a nossa comida é uma das melhores coisas que nós cá temos.
  Eu irei tentar fazer semanalmente - no mínimo -  um post com receitas portuguesas, que naturalmente, sejam simples e fáceis de cozinhar.
  Hoje, apresento-vos a Caldeirada á Algarvia. É um prato que eu estou habituado a comer desde pequeno mas também facílimo de fazer e tipicamente português.

  Bom proveito.


 Caldeirada à Algarvia
Doze para 6 pessoas
Colaboração de Carlos Alves - Alvor
Ingredientes:
  • 1,5 kg peixe fresco (tamboril, raia, safio, pargo, tainha corvina, etc.) 
  • 3 cebolas grandes
  • 500 gr tomates maduros
  • 1 pimento verde
  • 3 dentes alho
  • 2 dl vinho branco
  • 2 dl azeite
  • 800 grs. de batatas
  • 1 folha louro
  • 1 ramo de salsa
  • Pimenta q.b.
  • Piri-piri q.b.
  • Sal q.b.
  • Noz-moscada q.b.

Confecção:
Arranjam-se e lavam-se os peixes, passando-os por várias águas.
Cortam-se em postas mais ou menos regulares e temperam-se com sal grosso.
Descascam-se as batatas e cortam-se às rodelas bem como o pimento, os tomates e as cebolas.
Num tacho coloca-se uma camada de cebola, pimento, tomates e alho picado e por cima uma camada de batatas, seguida de outra de peixe, alternando as camadas não esquecendo de as regar com o azeite e o vinho branco temperando com sal, pimenta, noz-moscada e piri-piri.
Tapa-se o tacho e leva-se a cozer em lume brando, agitando de vez em quando.
Bom apetite!
 
 

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Fado e História

História do Fado 

Os portos de mar sempre foram locais de partida e chegada de pessoas e mercadorias. Mas nos barcos também vinham as culturas e nas cidades portuárias fez-se a sua miscigenação.  
 
Ao longo de séculos, os barcos foram transportando, de porto em porto, traços culturais que criaram as raízes da primeira globalização.
fado_e_historia_2.jpg Profundamente ligado à vida marítima e à actividade portuária aparece também o fado.

Assim, o fado enquanto expressão de música popular característica e original de Lisboa será inserido no conjunto mais vasto das manifestações culturais com traços semelhantes nascidas em cidades onde também existe uma ligação profunda ao mar. A importância do processo de intercâmbio cultural será uma constante do Festival que se realizará todos os anos, em Fevereiro. A primeira edição do Lisboa Fado Festival decorrerá no ano 2000.

Três séculos de música transcultural


No século XVIII, criou-se no Brasil um cruzamento de três continentes. O resultado apareceu sob a forma de manifestações culturais novas, que integravam a Europa, a África e a América. A componente africana foi levada pelos escravos negros. A esta misturaram-se traços das culturas ameríndias pré-existentes no Brasil. A cultura do colonizador europeu, pelo seu lado, contribuiu com as tradições rurais portuguesas e com o barroco. Acrescia ainda o intercâmbio resultante dos contactos portuários que ligavam a Índia, a Ásia e a África. De tudo isto resultaram expressões como as modinhas e o lundum.



No início do século XIX, a corte portuguesa refugiou-se no Brasil na sequência das invasões francesas. O fado passou a integrar influências dos ritmos brasileiros em intercomunicação com a poesia nascida nos bairros populares de Lisboa. Foi também por esta altura que a guitarra de 12 cordas, introduzida pela colónia britânica residente na cidade do Porto, passou a acompanhar o fado. A relação entre a voz e o instrumento passou a ser directa, com o estilo vocal a tornar-se muito expressivo e a equilibrar as deficiências do vocabulário popular.

No século XX, o fado fez a sua estreia no teatro musical e na rádio.

O fado das tabernas resistiu às luzes do salão. Mas em 1927 surgiu regulamentação que obrigava à posse de carteira profissional para se cantar em público. Mais tarde, o fado projectou-se internacionalmente como a canção nacional. O fado ganhou espaço na literatura, no cinema e na indústria discográfica, adquirindo uma dimensão nova. Mas permaneceu como expressão musical profundamente relacionada com outras manifestações culturais de cidades portuárias, o que exprime uma relação muito antiga de trocas culturais. Este facto dá ao fado um destaque especial na era da globalização.

A alma dos portugueses

 
fado_e_histria.jpgO fado não é apenas uma canção acompanhada à guitarra. É a própria alma do povo português. Ouvindo as palavras de cada fado pode sentir-se a presença do mar, a vida dos marinheiros e pescadores, as ruelas e becos de Lisboa, as despedidas, o infortúnio e a saudade. A grande companheira do fado é a guitarra portuguesa. Juntos, fado e guitarra, contam a essência de uma história ligada ao mar.

O fado, por ser de todos os portugueses, está na taberna e no salão aristocrático. Surgido na primeira metade do século passado, depressa se tornou na canção popular de Lisboa. Desde então, manteve sempre as sua características de expressão de sentimentos associados à fatalidade do destino. O fado está marcado pelo phatos das tragédias da Grécia clássica.

A canção emblemática de Lisboa é também indissociável dos seus bairros mais típicos. Alfama, Mouraria, Bairro Alto e Madragoa são os seus mais autênticos berços. Por esta razão, ouvir o fado é conhecer Lisboa. É também conhecer os portugueses, no mais profundo da sua alma de povo que enfrentou o mar desconhecido.

E, por ser uma canção nacional, o fado está igualmente marcado pelo atracção que a aristocracia boémia sentiu pela ruas e vielas de Lisboa, pelas tabernas e pelas mulheres. O fado foi partilhado por fidalgos, por vadios e por marinheiros. No regresso ao salão aristocrata, trouxeram o fado para que fosse acompanhado ao piano.



A companheira do fado


A guitarra portuguesa é a grande companheira do fado. A sua origem remonta ao cistro surgido na França e na Itália do Renascimento.

O cistro viajou desde o século XVI pela Alemanha e pela Inglaterra, tendo sido intro-duzido em Portugal pela colónia britânica radicada na cidade do Porto.

Abandonada nos outros países europeus, a guitarra adaptou-se e criou raízes em Portugal. A sua evolução deu-lhe características próprias, passando a ser designada por guitarra portuguesa. 



Artigo retirado do site Fado.com

Os Lusiadas

 Ontem, no meu danificado blog, publiquei um post sobre o grande livro Os Lusíadas escrito por Luís de Camões e não retiro nenhuma das palavras que disse.
 Já consegui requisitar o livro através da biblioteca da escola requisitar o livro. Apesar do mau estado do mesmo é digno de todos os elogios. Obviamente ainda não o consegui ler todo nem nada que se pareça pois o tempo foi escasso mas, mais uma vez, o livro é um espanto.



Mafalda Arnauth - Fadas

Acho que no que toca a poesia portuguesa, temos que admitir que o fado é sem duvida a melhor poesia que nós cá temos...
No que toca ao fado acho que os portugueses, mais que ninguém, devem ser exigentes com o fado que ouvem e, na minha opinião, a Mafalda Arnauth corresponde sem duvida nenhuma á exigência exigida. Em relação aos seus álbuns, acho que o álbum "Encantamento" é um dos seus melhores se não mesmo o melhor- a musica que estão a ouvir chama-se "No Teu Poema" e é desse mesmo álbum
Deixo-vos com o link do seu mais recente álbum e do site oficial
:





Alinhamento:
01- Invierno Porteño
02- Antigamente
03- Saudades da Júlia Mendes
04- Vou dar de beber à alegria
05- E se não for fado
06- Vira da Minha Rua
07- Tendinha
08- Só corre quem ama
09- Marujo Português/ Rosinha dos Limões
10- Hortelã Mourisca
11- Pomba Branca
12- Fado Madragoa



O Melhor Restaurante do Algarve! As melhores sardinhas que já comi...

Restaurante «Estrela do Mar», em Armação de Pêra

Foto
rafael rodosa Ver Fotos »
Restaurante Estrela do Mar
No extremo nascente da malha urbana, onde a areia da praia e o asfalto se juntam, encontrámos um restaurante «abarracado», sem as modernices que se vêm impondo nas praias. Mas o asseio imperava, ao contrário do que já encontrámos nalguns estabelecimentos mais bonitos.

Trinta lugares no interior, mais setenta na esplanada virada ao mar, uma montra de peixe atractiva, boa cozinha e serviço de mesas eficiente são razões suficientes para fazer uma visita.

Os preços são razoáveis e as porções generosas, criando uma boa relação preço / qualidade. A clientela dividia-se entre os banhistas e as pessoas que lá se deslocavam propositadamente.

O peixe grelhado, da sardinha ao cherne, passando por carapaus, peixe-espada, robalo, salmão, dourada, bifes de atum e espadarte, era o mais procurado. Contudo, não esquecer o bacalhau à Brás, caril de camarão, feijoada de camarão (2 pessoas) e arroz de marisco (2 pessoas).

As carnes são menos variadas, havendo bife grelhado ou de pimenta, febras ou bifes de frango grelhados.

Os vinhos vão do vinho da casa (Vinha das Garças), a 7,50 / 4,50 euros, ao único vinho algarvio na carta, Barranco Longo, a 12 euros.

FICHA TÉCNICA:
Praia dos Pescadores
Armação de Pera
Tel. 282 313 775
Encerra à segunda-feira
Aceita cartões